sexta-feira, junho 06, 2008

Este meu fado triste
























Este meu fado triste
António Zumaia


Este fado que magoa,
numa guitarra a trinar;
É no amor a Lisboa,
que eu sinto o seu cantar.

Fado é alma de gente,
que labuta pela vida…
De muito triste a contente,
ou da saudade perdida.

Lisboa é meu cantar,
a guitarra melodia.
Da janela ver passar,
a mulher que eu queria.

Vejo a luz do seu olhar,
perdido na imensidão.
Da janela a ver passar,
essa doce ilusão.

Não cantarei mais o fado,
a minha triste canção.
Solta a guitarra o trinado,
em forma de coração.

Na esquina ela virou…
Quedo triste amargurado,
tudo o que ela me deixou,
foi apenas… o meu fado.

Sines – Portugal
11/12/2007

1 comentário:

Freedom disse...

Oi, gostei do blog. Adorei os seus poemas. Quando puder me faça uma visita e veja um pouco dos meus poemas, sera sempre bem-vindo.